segunda-feira, 13 de novembro de 2017

no meu olhar...

Foto Júlia Tigeleiro


E ainda me atrevo a amar
o som da luz numa hora morta
a cor do tempo num muro abandonado.

No meu olhar perdi tudo.
É tão longe pedir. Tão perto saber que não há.

Alejandra Pizarnik








segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Asas silenciosas...

Foto Júlia Tigeleiro



" Pássaros
Sons infinitos da estrada que passa longínqua 
Distante de tudo o que há, se é que há..."



Rafael Salvador






sexta-feira, 30 de junho de 2017

finalmente desisti...

Foto Júlia Tigeleiro

" arranquei de mim a morada que eras tu
desisti dos pássaros, afundei barcos, lâminas.
apaguei o calor dos porões como se uma vela
pudesse perigosamente insistir na permanência
desse mundo que era a minha voz..."

Vasco Gato

quinta-feira, 22 de junho de 2017

fala-me...

Foto Júlia Tigeleiro


fala-me dos arcos do céu
onde infinitos pequenos astros
se rebolam sobre a pureza
do teu rosto. Fala-me dos teus olhos,
da paisagem que inventam no luar de azul
onde se adivinham os dias e se pressente
o ligeiro vibrar do novo amor em semente.

escutarei, e das tuas palavras vou tirar
outras que não são para dizer, que trazem
nos lábios o mais intimo segredo disso que é real, 
disso que ignora as paredes do olhar e em tudo
desenha o tão doce horizonte que somos em nós.

mudo ficarei suspenso da tua voz sem saber
ao certo se é verdade ou mentira, se se pode
de facto criar um rosto que nos mostre por completo,
como a pele mostra a mão, a água, o beijo,
sem saber se este sangue e esperança
será suficiente para te encontrar
no rebolar dos infinitos pequenos astros.

vasco gato



quarta-feira, 14 de junho de 2017

ainda que os meus labirintos te confundam...

Foto Júlia Tigeleiro


Deixa-me amar-te em meus silêncios
Na calmaria do teu coração que me acolhe
E onde se desprendem meus sonhos
Em vôos etéreos de plena liberdade


Deixa-me amar-te em minha solidão
Ainda que os meus labirintos te confundam
E que teus fios generosos de compreensão
Emaranhem-se no tapete dos meus enigmas



Deixa-me amar-te sem qualquer explicação
Na ternura das tuas mãos que me sorriem
Escrevendo desejos em versos despidos
Na minha alva tez que cobre e descobre


Deixa-me amar-te em meus segredos
Para que desvendes o que também desconheço
A alma dos meus abismos onde anoiteço
E meus olhos adormecem pelo mistério



Deixa-me amar-te em tuas demoras, longas horas
Em que meu corpo se veste de céu à tua espera
E minhas mãos em frenesim acendem estrelas
Para alumiar-te, ainda que ausente estejas...



Fernanda Guimarães

sexta-feira, 9 de junho de 2017

a alma à flor da pele...

Foto Júlia Tigeleiro



" Trago à flor da pele as coisas que devia esconder, o mais íntimo e sombrio. Podeis ver o meu esqueleto e não só, também trago à flor da pele a alma toda"

Amália Bautista




quarta-feira, 7 de junho de 2017

vai...

Foto Júlia Tigeleiro



Vai antes que os  horizontes se esgotem, os ventos se cansem e asas mirrem...